ATUAÇÃO EM TODAS AS AREAS DO DIREITO

Assessoria, Consultoria e Atuação Jurídica e Administrativa completa.
Direito do Consumidor; Direito Bancário; Direito Civil; Direito Tributário; Direito de Família; Direito Criminal; Direito Internacional; Direito Civil e Contratos; Direito Trabalhistas; Direito Empresarial; Direito Previdenciário; Direito das Sucessões e Inventários; Direto Eleitoral; Direito Publico e Administrativo.

Prestamos atendimento e Assessoria Jurídica nas cidades de Chui, Santa Vitoria do Palmar, Rio grande, Pelotas e Pedro Osório-Cerrito, com possibilidade de atuação em outras comarcas. Apresentamos recursos em todas as instancias judiciais.

E-mail: drhugojuridicozs@hotmail.com
Telefone Celular: 91188208- Telefone fixo: 53-32652072
( Horário Comercial- vinculado a Matriz no Município de Chui/RS)- 53-30251803 (H. Comercial- Pelotas/RS)
Celular Uruguaio: 092.484.153.
Horarios de Atendimento:
Segunda a Sexta das 9h as 12 h e das 14h as 19h
Sábados: das 9h as 12h
ESCRITÓRIO 01: Matriz HD Jurídico Chui /RS: Rua Peru 1.015 Chui/RS CEP 96255-000. Telefone (53)32652072
ESCRITÓRIO 02: HD Jurídico Santa Vitoria do Palmar/RS: Rua Barão do Rio Branco 549 CEP 96230-000
ESCRITÓRIO 03: HD Jurídico Pelotas: Rua Andrades Neves 2.565 CEP 96020-080. Telefone: (53)3025-1803
ESCRITÓRIO 04: HD Jurídico Pedro Osório- Avenida Alberto Pasqualini 55 Sala B-
ESCRITÓRIO 05: HD Juridico Rio Grande: Barão de Cotegipe 433- Centro- Sala 912- Edificio Porto de Gales





sábado, 3 de dezembro de 2011

LULA E FERNANDO HENRIQUE

ADVERSÁRIOS POR TODA VIDA, UNIDOS APENAS EM ALGUNS MOMENTOS HISTÓRICOS (ACIMA, EM 1978, NA CAMPANHA DE FERNANDO HENRIQUE PARA SENADOR), OS DOIS MAIORES LÍDERES POLÍTICOS DO PAÍS ESTÃO A UM PASSO DE VOLTAREM A SE FALAR; DOENÇA DESPERTA SOLIDARIEDADE E COMPREENSÃO

03 de Novembro de 2011 às 00:59

247 – Os dois maiores líderes políticos do Brasil contemporâneo, que a vida política manteve no mesmo campo de atuação apenas por alguns instantes históricos, agora, finalmente, estão em condições de se reaproximarem.

Nos últimos 16 anos, Fernando Henrique Cardoso, o maior ídolo dos tucanos do PSDB, presidente da República entre 1995 e 2002, e Luiz Inácio Lula da Silva, ‘dono’ do PT e presidente entre 2003 e 2010, tiveram apenas um encontro, o mais protocolar de todos – quando o primeiro colocou a faixa presidencial sobre o ombro do segundo. Nem pessoalmente, nem por telefone, e-mail ou intermediários eles se falaram depois. Tiveram, simplesmente, o chamado contato zero, cada um no seu quadrado, como se diz hoje, a não ser no velório de Ruth Cardoso, ex-mulher de FHC.

“Ele nunca me convidou para ir até lá”, registrou Lula, num programa Roda Viva, perguntado se o então presidente FH o chamara para alguma conversa em palácio. “Jamais tive dele um telefonema sequer”, ecoava, anos depois, em Paris, o Fernando Henrique que acabara de deixar a Presidência da República para Lula.

Nem sempre, porém, houve toda essa frieza e distância. Corria o ano de 1978, em São Paulo, quando, então candidato ao Senado pelo PMDB, Fernando Henrique recebeu o apoio luxuoso de Lula num ato de panfletagem de sua candidatura. Àquela altura à frente do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo, e já consolidado como o maior líder de massas do País, Lula aceitou a tarefa na tentativa de ajudar FH. Os homens que chegariam, um após o outro, à Presidência, haviam subido no mesmo palanque, no ano anterior, entre as lideranças da campanha Diretas Já. E, praticamente, isso foi tudo que se registra como pontos de unidade de ação entre eles.

Oriundos de classes sociais diferentes, um torneiro mecânico, outro intelectual de classe internacional, com visões de mundo absolutamente díspares, Lula e Fernando Henrique passaram a cultivar a crença de que, distantes um do outro, assim se fortaleceriam. Lula foi talvez o maior crítico dos anos FH, que, por sua vez, tornou-se o grande comentarista do que via de negativo na gestão do antigo sindicalista.

No atual momento, entretanto, em que Lula descobriu e passa a enfrentar um câncer na laringe, Fernando Henrique foi um dos primeiros a se pronunciar em solidariedade ao velho adversário. “Desejo o pronto reestabelecimento dele e, assim que Lula estiver atendendo telefonemas, pretendo dizer isso pessoalmente a ele”, registrou o ex-presidente sociólogo. Sabe-se que Lula reagiu bem ao gesto de FHC. Já há quem trabalhe para que o telefonema anunciado por Fernando Henrique aconteça o quanto antes – e seja sucedido, finalmente, pelo encontro pessoal que só faria bem não apenas para ambos, mas para todo o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário